O Glorioso Império de Bashar Al-Assad

De Wikimerda
(Redirecionado de Europa)
Ir para: navegação, pesquisa


CriancaHomemBombaArabe.jpg

Síria é Terrorista!!!

Síria é do Bin Laden! Cuidado, ele comandou o 11 de Setembro, tem uma Ak 47 na parde, é muçulmano, odeia os EUA e mora na Árabia. Nem pence em se meter com esse cara.

Cade minha AK 47? Preciso atirar em uns Estadunidenses Cristãos!

Hammer sickle clean2.png
Nazi.jpg
Esse artigo fala sobre opressão e dentadura ditadura!

Você DEVE aceitar o que tá escrito aqui SEM duvidar de nada. Não gostou? CALE-SE ou correrás o risco de sumir misteriosamente.

Josef Stalin e Adolf Hitler vigiam esse artigo!!!

República Terrorista Árabe da Síria
Estado Islâmico da Síria
Bandeira do Supremo Império Al-Assad Brasão de Armas do Supremo Império Al-Assad
Bandeira Brasão
Lema: Sim, chefe
Gentílico: Siriano
Hino:
"''Que se foda Bashar Al-Assad''"
Capital Maçã Banana Damasco
Idiomas Árabe, armênio, turco, alemão, espanhol, hebraico, curdo, além de árabe, lituano e espanhol.
Governo Assadismo
Califa Bashar Al-Assad
Vice-Califa Bashar Al-Assad
Ministro Baixar o Assado
Gerentes Bashar Al-Assad
Heróis Nacionais Aquele político com cara de adolescente punheteiro
Independência Em 1946 da França
Moeda Balas calibre 9 mm
Religião Basharismo
População Cada vez menor, visto que Bashar continua mandando pessoas para o inferno paraíso
IDH O que é isso?
TLD sr. ou sra.
Código telefônico +1
Site do governo http://www.souria.com/

Cquote1.pngVocê quis dizer: Polônia do Oriente MédioCquote2.png
Google sobre Síria
Cquote1.png Why so Syrias? Cquote2.png
Coringa sobre a Síria

O Estado Islâmico do Iraque e da Síria é um país vizinho de Israel, Iraque, Líbano, Turquia, Jordânia e do Mar Mediterrâneo. Este estado é famoso por ter sido um forte aliado da Rússia durante mais de 40 anos durante os quais a KGB vendia armas ao governo sírio para liquidar capitalistas que queriam ganhar dinheiro no país, graças á esta aliança, a Síria conseguiu uma rápida inserção na comunidade internacional e permitir a estatização e a desapropriação da propriedade privada no Oriente Médio, ganhando o respeito da Rússia e de toda a ex-União Soviética.

Mas o que é a vida, não é? De um dia para o outro, os russos perceberam que o governo sírio estava ganhando muito mais apoio da comunidade internacional do que a Rússia, e que as mulheres que os cossacos pretendiam estuprar já estavam na cama dos terroristas sírios, então a KGB começou a enviar soldados para derrubar seu presidente Bashar Al Assad e instituir a República Socialista Soviética Síria.

A Síria está localizada em algum relatório de síntese, eu acho que no Mediterrâneo...Há algo que não entendo, se está localizado junto ao Mar Mediterrâneo, como pode levar horas para que uma pessoa da Síria chegue ao mesmo? Quero dizer, acabou de dizer que está a horas, mas no mapa vemos que está colado ao mar, ou seja, eu levei horas para percorrer uma pequena costa? Melhor parar de dizer bobagens, este é um artigo sério. A Síria é uma monarquia autocrática (ou seja, é regida por um macaco que anda de carro).

O atual chefe de estado é o presidente-para-toda-a-vida Bashar al-Assad, que tropeçou em cima da presidência em 2000, após a morte por negligência (álcool + direção) de seu pai. O país tem estado em um estado de agitação civil por vários anos, como a revolta popular e democrática contra Bashar al-Assad por este ter conduzido a guerra complicada e devastadora que matou mais de 100.000 pessoas. Apesar disso, nove em cada dez brasileiros não podem apontar a Síria em um mapa, e três em cada dez acreditam que "a Síria" é uma marca de cerveja.

A Síria é também um campo de treinamento terrorista no Oriente Médio. Ela costumava ser a filha vadia do Irã, e os dois países juntaram repetidamente suas forças para dominar o mundo muçulmano. Em novembro de 2012, a Síria se torna oficialmente a única saída do Irã para o mar.

História[editar]

Conquistas estrangeiras[editar]

Bashar Al-Assad é o atual presidente vitalício da Síria. No entanto, seu reinado parece desafiado pela "amizade" entre Damasco e Bagdá.

A Síria é um pedaço de terra que durante muitos anos foi dominada por estrangeiros. A Síria é um país com grande cultura, e uma vasta história de independência. Eles sempre foram uma nação soberana, não sendo escravos de ninguém, exceto, talvez, a partir de 1530 aC a 1250 a.C. quando fazia parte do império egípcio. E depois, é claro, se tornaram território da Babilônia no século VII aC até que foi anexada pela Pérsia em 538 aC, que a ocupou até que foi tomada por Alexandre o Grande 200 anos mais tarde.

Mas depois que ele se foi, a Síria se tornou uma nação auto-suficiente livre, mas, em seguida, foi subjugada pelos romanos em 64 aC, e mais tarde caiu sob o domínio do Império Bizantino até 634 aC. Mas estes foram os únicos momentos em que a Síria estava sob a bota de outra nação, por tradição eles são uma raça orgulhosa e livre.

Entretanto, importa ressaltar que na segunda metade do século XI, foi tomada pelos sarracenos, sendo então ocupada pelos seljúcidas, e em 1616 pelos turcos otomanos, que a possuíram até 1833, quando foi conquistada por Saladino, que a mandou de volta para os turcos em 1840 porque sentiu pena deles por eles não poderem tomar a Síria. Finalmente, os mestres turcos da Síria foram expulsos pelos britânicos, e foram tomados pela Arábia em 1912.

E aqui termina a história das conquistas da Síria, que, veja você, quase nunca esteve sob a tirania de outros impérios, tendo sempre sido uma nação livre. Também vale a pena mencionar que a Síria foi ocupada pela França entre 1928 e 1945. Ou seja, nenhum império era um império de verdade se ele não tivesse conquistado a Síria, pois a Síria é um país tão fácil de se conquistar que é conhecida como a Polônia do Oriente Médio.

Ascensão da família Assad[editar]

Hafez Al-Assad foram muitos bons amigos até Assad descobrir que Kim era ateu, e Kim descobrir que Hafez era um religioso
Verde: As pessoas que querem o fim do governo sírio. Azul: Pessoas que querem a morte dos rebeldes sírios. Cinza: As pessoas que querem que todos morram. Amarelo: Molharam as mãos e disseram que vão responder ano que vem
Típicos adoráveis e pacíficos cidadãos sírios

Depois da independência da Síria, apareceu a família Al-Assad (O assado, segundo o dicionário sírio-brasileiro) e , desde então, tem se estabelecido uma república árabe de partido único com base nos princípios do pan-arabismo do Partido Baath, que é um daqueles partidos políticos que, como o PSOL, defendem o socialismo mas não vivem sem grandes tecnologias e outras benesses capitalistas japo-americanas.

No início, o então presidente Hafez Al-Assad tentou moldar seu governo socialista inspirando-se no ditador Kim Il-Sung da Ditadura Impopular Fascista da Coreia, por meio do qual ele aprendeu a transformar uma horda de camponeses sem dentes em fortes e corpulentos militares altamente treinados para defender a pátria socialista, matando qualquer um que pensasse diferente. E também aprendeu com Kim a nobre e muito democrática arte da sucessão hereditária, na qual você pode colocar seu próprio filho como futuro presidente do país, assim o estado não tem que gastar dinheiro organizando eleições á cada quatro anos, e com esse dinheiro se poderia investir em coisas mais importantes como armas para o exército e viagens para a Disney. Felizmente, a amizade entre Hafez Al-Assad e Kim Il-Sung não durou muito tempo, já que Al-Assad descobriu que o menino que Kim il-Sung estava estuprando em seu quarto era o seu filho mais novo Bashar, além disso, Hafez não sabia que a Coreia do Norte era um país extremamente nacionalista e que defendia a expropriação dos bens de todo e qualquer estrangeiro, e como Hafez não queria perder o seu rolex e sua BMW, ele mandou Kim para o diabo e voltou para a Síria

Cquote1.png Eu non acredito no diabo, né Cquote2.png
Kim il-Sung sobre ser ateu e não concordar com as visões extremistas islâmicas de seu então amigo Al-Assad

E tudo isto foi seguido por um bom tempo em que as empresas multinacionais soviéticas se estabeleceram na Síria para sugar os ganhos de seus trabalhadores, em troca de Al-Assad receber mais armamento tático e apoio logístico da KGB para meter bala nos capitalistas, conservadores, liberais, libertários, anarco-capitalistas e demais diabos azuis adeptos do imperialismo ianque. Durante sua juventude, a Síria serviu como um protetorado russo que dá a impressão de que a economia do país cresceu e escondendo a imagem dos trabalhadores famintos e empobrecidos.

A Síria ganhou prestígio internacional ao estabelecer relações sexuais diplomáticas com odaliscas praticamente todos os países do mundo, em troca sendo respeitada por todos eles, exceto por Israel e pelos Estados Unidos, que tiveram cada um um pedaço de terra roubado durante a guerra árabe-isralense e a Guerra Fria, respectivamente. As terras em questão são Jerusalém e Detroit. Apesar dos altos e baixos da Guerra Fria, a Síria nunca se tornou capitalista e adotou uma imagem terceiro-posicionista de Gamal Abdel Nasser (outro cientista da Al Qaeda), e, eventualmente, a Guerra Fria acabou e a Síria se manteve socialista para sempre.

Com os conservadores mortos, tudo parecia ir de vento em popa e a Síria se mostrava como uma nação próspera, onde a única coisa ruim para eles tenha sido a morte de seu amado generalíssimo Hafez Al-Assad, que foi substituído como ditador por seu filho Bashar Al-Assad, a janta de Kim il-Sung em 2000, quando por estas casualidades da vida, a Rússia e seus aliados não ousavam se referir ao governo sírio como regime nem diziam que os Assad eram ditadores, e apresar da presidência do país ser um cargo hereditário, os russos se referiam á Síria como uma "república" e os países orientais e seus meios de comunicação não mostravam nenhum sinal de que a Síria era um esquema onde assassinatos eram cometidos.

Rússia rompe relações[editar]

A resposta de Bashar Al-Assad aos protestos sírios
Pessoas praticando o esporte nacional sírio: protestar contra o governo
Típicos sírios

Mas o idílico romance terminou: com os capitalistas mortos, agora os fascistas do Pacto de Varsóvia teriam que encontrar outro bode expiatório para justificar as guerras de dominação mundial, e as empresas estatais russas decidiram que os novos malvadões teriam que ser...adivinha? os árabes. Assim, o Rússia Unida usou seus fantoches da Al Qaeda que Leonid Brejnev havia armado no Vietnã para massacrar os americanos para atacar os Estados Unidos no 11 de setembro e justificar uma guerra contra o terrorismo para erradicar os árabes da face da terra e dominar a Ásia. Cá entre nós, você acredita mesmo que a Rússia, inimiga histórica dos EUA, iria apoiá-los em alguma coisa? Pfff..

Mas os russos ainda não haviam dito uma palavra contra a Síria de Bashar Al-Assad, mas aqueles que começaram a dizer alguma coisa foram os xiitas que são a maioria da população do Oriente Médio e iniciaram a chamada Primavera Árabe, porque ficaram de saco cheio dos monarcas e ditadores sunistas de todo o Golfo Pérsico e do Magrebe, onde estes países são dominados com mão de ferro por regimes totalitários socialistas e teocráticos onde as mulheres devem se cobrir dos pés a cabeça e não possuem voz ou voto, e os homens também não tem voz ou voto porque vivem em países dominados por monarquias absolutistas sem partidos políticos ou liberdade de expressão, mas convenientemente a CNN e outros meios de comunicação democratas não dizem uma palavra a respeito e escondem a sujeira debaixo do tapete para proteger os monarcas destes reinos e deslegitimar as tentativas americanas de levarem á liberdade e a democracia para estes territórios.

Então, até então o único problema da Síria eram os americanos que queriam se livrar de mais uma ditadura fascista e libertar os árabes, mas com o apoio da Rússia e da Comunidade dos Estados Independentes e a nova farsa da "guerra preventiva contra o terror" comandada por Vladimir PUtin, a Síria teve que fortalecer suas fronteiras e estabelecer novas medidas protecionistas que obviamente não são de nenhum agrado para a Comunidade dos Países Árabes.

Desta forma, o capital internacional procurava pagar suas dívidas com petrodólares da OPEP para evitar que o sistema socialista se quebrasse como em 1991, e novamente como naquela vez teriam que evitar que as massas descontentes se voltassem ao capitalismo liberal, e outra vez como naquela época a solução final era criar uma nova guerra. Para evitar que os insurgentes da Primavera Árabe se tornassem conservadores de direita, a aliança facho-comunista recorreu a um grupo violento de mercenários cuja função era destruir os poucos muçulmanos direitistas que remanesciam para a revolução, os fascistas temiam que uma infiltração direitista no mundo muçulmano derrubasse as ditaduras orientais e levassem á democracia japonesa para o restante do continente.

Queda dos ditadores[editar]

O parlamento sírio forte e quase cheio. Dois assentos estão atualmente vagos para as novas eleições pendentes
Um soldado sírio fêmea que utiliza obrigatoriamente a burca manuseando um rifle (note as vistas frontais fechadas)

Então, caiu Mubarak no Egito, Ben Ali na Tunísia, Kadafi na Líbia e outros ditadores assassinos que nunca foram chamados de tal forma pela mídia internacional porque até então eles eram aliados fiéis da Rússia, mas que agora tiveram que manipular a Primavera Árabe para que estas não se tornassem reacionárias e não inspirassem o Movimento Tea Party a fazer uma "Primavera Americana" contra o Partido Democrata, então esses ditadores foram substituídos por outros presidentes democráticos que devido ás coincidências da vida são todos doutrinados nas universidades socialistas russas e/ou keynesianas europeias e é por isso que todos esses governos "livres" possuem a mesma ideologia e não há um único liberal entre os novos líderes árabes alinhados ao Grande Palácio do Kremlin.

Então os governantes árabes foram caindo como fichas de dominó salvo exceções como Jordânia, Arábia Saudita e Palestina, pois esta última é o grande poder nas mãos da ONU, uma das poucas organizações da qual a Rússia é subordinada. Nestes países seus reis reprimiram os rebeldes, que se tornaram socialistas devido á lavagem cerebral internacional, e passaram a cometer crimes em massa e estuprar mulheres não-muçulmanas, enquanto as agências internacionais fechavam os olhos.

Finalmente, depois destes ataques socialistas criminosos, foi a vez da Síria, onde mais uma vez apareceram outras Organizações Não-Governamentais que paradoxalmente apoiavam o governo russo (mas não eram não governamentais?) e outra vez apareceram grupos de elite autoproclamados Amigos da Síria que paradoxalmente não foram eleitos pelo povo da Síria mas sim pelos líderes do conselho de segurança da ONU, onde instantaneamente acusaram o ditador Bashar Al-Assad de sr um tirano genocida autor de inúmeros massacres, que pelas coincidências da vida, parece que começou a cometer os assassinatos justo na hora em que a CEI decidiu barrar os governos árabes.

Cquote1.png Pô, vocês prometeram que não iam contar pra ninguém e iam me fazer parecer o bonzinho e fazer os capitalistas e sionistas serem os malvadões Cquote2.png
Bashar Al-Assad sobre a ONU

Imediatamente todos os meios hegemônicos públicos, de diferentes proprietários, governos diferentes, e países diferentes começaram a repetir o mesmo discurso e usar os mesmos termos para se referir ao governo de Al-Assad como o regime e acusá-lo de assassinatos registrados em vídeo que haviam sido exibidos anos antes pela Fox News e a ONU havia acusado a emissora de "islamofobia". Em 2008, o Partido Democrata volta ao poder nos EUA, e Al-Assad achou que isso significava uma luz no fim do túnel, visto que, não importa o resto, o Partido Democrata sempre iria apoiar os árabes, mesmo que estes estivessem lutando contra seus demais aliados (comunistas, fascistas, racistas, estupradores, bandidos, negros, africanos e homossexuais). Mas Barack Obama ficou com medo de que a direita tomasse conta do Oriente Médio, e embarcou no jogo da ONU.

Cultura[editar]

Típico departamento de polícia sírio

Como não há variação de povos, grupos étnicos, seitas e clubes secretos de filosofia, o país é o melhor lugar para os intelectuais que não fazem nada, mas lutam em cafés de Damasco discutindo as teorias de pessoas que morreram milhares de anos atrás, como Nietzsche, Marx e Keynes, mas infelizmente apenas 0,00001% da população síria está interessada em grandes mentes filosóficas como Adam Smith, John Locke e Edmund Burke, enquanto a maioria da população reza a Alá e Baal, incluindo uma minoria zoroastrista.

A cultura da Síria é colorida, como quando no inverno o país inteiro comemora a liberdade das minorias religiosas pelo arredondamento para cima e executando cada terceira individual. O entusiasmo para com este festival parece correlacionar-se com a porcentagem de vitórias do Real Madrid. Como a maioria dos países do Oriente Médio (incluindo Israel), a população islâmica é maioria da Síria, e eles se preocupam com as minorias xiitas e curdas e tomam atenção das diferenças que os separa, desejando uma vida feliz para aqueles que compartilham o solo de sua terra maravilhosa.

Típica lan house da Síria

O país também tem muitas antiguidades históricas que são cuidadas até que caiam no chão e seja substituídas com apartamentos acondicionados de forma barata com cimento de secagem rápida. Isso dá todas as cidades um tom romântico, cheio de poeira cinza devido ao fato dos edifícios começarem a mesclar na vertical com a paisagem. Há evidências dos primeiros imperialistas europeus, com seus castelos das cruzadas e pontos do campo. Os sírios admiram tanto a construção robusta destes edifícios infiéis que eles ainda estão usando-os 800 anos mais tarde. O mais famoso é Crac des Chevaliers, a antiga casa dos Cavaleiros Hospitalários. Os turistas vêm aqui para fumar a erva daninha que cresce ali perto e experimentar a mesma névoa experiente mental das cruzadas.

Gastronomia[editar]

Típica família síria
Típica casa de luxo da Síria
As mercadorias que a Síria introduz nos países que ocupa militarmente em nome da paz

A culinária síria é baseada em carne de carneiro e suco de uva fermentado, como os clássicos shawarmas com carne de cordeiro envoltos em pão pita e coberto com molho de hortelã, ou o famoso Kebab que é feito com carne de cachorro e tem a curiosa forma do membro masculino deste animal, por isso o governo argumenta que quem diz que não há gays na Síria está mentindo. Se pra você não é o suficiente comer rissóis de carne com hortelã e rolas de canídeos, você pode degustar o esquisito Baklawa, feito com massa folhada, mergulhado em mijo e recheado com nozes, amêndoas, pistache e sangue de opositores.

Geografia[editar]

Suas fronteiras são todas desérticas, mas ao invés de vulcões existem grandes buracos que engolem os encautos e as grandes serpentes (como Quetzalcóatl), que também comem incautos. Além de cobras, escorpiões e outras pragas, também vivem no deserto os beduínos, judeus, berberes, cursos e soldados americanos escravizados pelo governo sírio, que passam o dia plantando damascos e satisfazendo sexualmente os soldados do Estado Islâmico. Também existem soldados russos camuflados esperando o momento certo para cercar Damasco e anexar todo o território sírio á jurisdição do regime russo para manter mais recursos naturais e explorar os trabalhadores árabes para usá-los como mão de obra, como fizeram com os países bálticos.

Se o Jardim do Éden existiu, deve ter sido na Mongólia Síria. Sério, este país é um paraíso terrestre, conhecido por suas grandes florestas cheias de vegetação exuberante, onde se suspeita estarem ocultadas inúmeras espécies ainda não identificadas de Pokémon. Sim, segundo investigações científicas, a Síria bem que poderia deter 30% das espécies vivas do planeta. A maioria das quais são novas versões de aranhas, centopeias, lagartas, baratas e formigas escondidas no enorme porém lapidado edifício da corte suprema de justiça Síria...e isto é porque neste país, a justiça simplesmente não existe.

Fauna e flora[editar]

Entre seus animais indígenas, possuem camelos, dromedários e algumas outras espécies de camelo de uma corcova, duas corcovas, ou três corcovas, mas não há corcovas na Síria porque o pouco mar que tem está ocupado pelos sunitas e xiitas da Arábia Saudita, de modo que os soldados do exéricito sírio roubam toda a pesca dos civis porque como sabemos, os muçulmanos não podem comer carne de porco, então os civis se matam por um par de espinhas de pescado.

Entre suas plantas existem grandes variedades de granadas: granadas de mão, anti-tanques, anti-choques, conjunto, com Urânio enriquecido e/ou empobrecido...ou seja, o mesmo que tem os iraquianos e iranianos, mas devido á essas coincidências da vida, se os judeus ou americanos possuem armas para defender seu próprio país, são chamados de "imperialistas", mas se os árabes e os islâmicos possuem as mesmas armas (e mais) para invadir outros países, são chamados "resistentes".

Demografia[editar]

Os lança-mísseis sírios são malvados instrumentos de morte...quando e sempre que quem os use sejam um exército inimigo do Islã, mas quando é o Islã que os usa para que seus mercenários destruam países inteiros, então aí são bem vistos por toda a "comunidade internacional"
Al-Assad revelando o tamanho do míssil que jogou ontem na Argentina

Em sua maioria, são muçulmanos sunitas, que são os seguidores de Suna, uma coleção de pensamentos que Maomé (as maldições blasfêmias estão com ele) escrevia durante seus largos tempos de meditação enquanto cagava no banheiro. Mas aqui também há uma pequena porcentagem de xiitas, dos quais a maioria são alauítas, ou seja, dependem de Suna. E á última parte pertence o atual rei sírio. Há também uma pequena comunidade de cristãos ortodoxos, que precisam se esconder em canos de esgoto a cada cinco minutos, fugindo do exército sírio, pronto para massacrar quem desrespeitasse a Sharia.

As pessoas que ainda existem na Síria são chamadas de sírios. Eles são perigosos, mas bem-educados, e temidos em todo o mundo, de acordo com a TV estatal. Todos os sírios devem fazer uma peregrinação anual, quer para a fronteira israelense para zombar do inimigo sionista, ou a Beirute para garantir que os moradores se lembrem de pagar o aluguel. Quando não estão realizando a prática de alvo sobre a população sunita, as minorias, como os xiitas, os judeus e os cristãos são mantidos sob controle pela humana e respeitável Shabiha (polícia secreta).

Os sírios são bastardos mal-educados que se reproduzem através do estupro e do incesto. Esses tipos de árabes saíram da escola aos 13 anos para se casarem com suas primas, ou até mesmo suas irmãs, relações estas que resultam em pelo menos 5 crianças retardadas por casamento. Apesar deles não possuirem educação, os sírios são conhecidos por desenvolver naturalmente a capacidade de esfaquear pessoas, roubar e estuprar as próprias irmãos.

Desde que a economia entrou na merda (isto é causado principalmente por seus políticos tiranos, suas políticas e suas pessoas que passam o tempo inteiro cortando a cabeça dos infiéis), eles procuram trabalho e acham, e se propõe a aceitar a escravidão, porque realmente, sua moeda nacional é inútil. A maioria dos sírios fogem para o Líbano, uma famosa cidade síria, para fazer trabalhos sexuais em troca de 20 centavos a hora.

Os sírios também matam por prazer. Eles gostam de brincar de Deus e não pensam duas vezes antes de roubar uma alma. Sua arma favorita são as facas. Com os assassinatos em massa de Assad começando a tomar proporções épicas (embora nem de longe possua o mesmo nível do Brasil), o presidente Assad começou a chamar helicópteros de ataque, e eis que os rebeldes sírios começaram a derrubá-los com a superfície de lançadores de mísseis como visto em vários vídeos do YouTube.

Turismo[editar]

Um soldado sírio em ação

Atualmente não se recomenda visitar este belo país, dadas as atuais condições sócio-políticas que o país sofre. De qualquer forma, se você já está na Síria e veio até a Wikimerda em busca de uma fonte confiável de informações turísticas...aqui você não irá encontrar nada, mas você pode visitar em damasco a estátua do maior cachorro-quente do mundo. Ou o muro de Trajano, ah não, na verdade este fica na Moldávia. Bem, faça alguma coisa, sente-se no deserto e se entendie olhando todos os dias as douradas dunas como fazia o estuprador Maomé (que as maldições e blasfêmias estejam com ele).

Cquote1.png Não tem outra opção? Cquote2.png

Bem, meua migo, eu não queria falar, mas o recomendável é você SAIR DAÍ, PORRA! AGORA!! FUJA PARA ISRAEL!!!

Política[editar]

Espetos de kebab de cordeiro com a forma de pênis.

A Síria é um país completamente ditatorial e opressivo livre e democrático...Uma nação onde não se sabe o que é a censura, a democracia e a liberdade..E onde todo mundo tem o direito de expressar suas opiniões sem medo de serem espancados ou abatidos. Infelizmente, em nenhuma sociedade faltam heróis desajustes sociais, e atualmente a Síria está atravessando uma tremenda crise política, uma vez que existem muitos porcos selvagens sionistas que clamam por justiça e por razão, querendo que o atual presidente caia, sem entender que este foi democraticamente eleito.

A Síria ganhou sua independência em abril de 1946. O atual governante da Síria é Bashar al-Assad, filho de Hafez al-Assad. Embora a Síria seja uma "república", o presidente sírio tem total controle sobre todas as leis, os meios de comunicação, e as práticas hardcore de propaganda forçada. Dito isto, se você desrespeitar o presidente verbalmente na sua varanda enquanto conversa com sua esposa de 12 anos e bebe café em uma manhã de domingo, as forças nacionais irão levá-lo para a prisão por 10 dias de tortura apenas por prazer.

Governo[editar]

Bashar Al-Assad, a girafa que comanda o país

O líder da Síria é o presidente-para-o-resto-da-vida. Ele serve um mandato de seis anos, no fim dos quais as pessoas são obrigadas a votar para reelegê-lo, desde que o presidente-para-o-resto-da-vida ainda esteja vivo. Se não, seu filho se torna presidente vitalício, exceto que, se ele não cumprir os requisitos constitucionais, a constituição é alterada ás pressas para que ele o faça. O presidente-para-o-resto-da-vida precisa ser um muçulmano alauíta e deve ser filiado ao Partido Baath. Se ele também se chamar Assad, ajuda muito. O atual Assad foi um oculista em Londres mas sua miopia democrática teimosamente resiste ao tratamento. Assad progrediu de um um forasteiro com olhos mortos para um patrão cruel tão mais cruel que Michael Corleone, de O Poderoso Chefão.

Para assegurar a equidade para com todos os setores da população, o governo nomeou uma minoria para cuidar do resto do povo: Os alauítas, um grupo fortemente armado que reside no palácio presidencial em Damasco. A prova disso é um programa social recente, Bomb the Casbah, que viu o governo se envolver todos os níveis da comunidade, muitas vezes com tanques lançadores de foguetes e AK-47s. Numerosos grupos de direitos humanos rotineiramente acusam o regime de Bashar de torturar, aprisionar e matar opositores políticos. Assad negou essas acusações, apontando para a falta de adversários políticos que ele pudesse torturar, aprisionar e matar, já que o seu pai já tinha matado a maioria deles até o final de seu governo. Além disso, os Estados Unidos o sancionada por espancar seus jornalistas. Assad insiste em dizer que os jornalistas se batem sozinhos.

Como a Coréia do Norte, a Síria é altamente não-democrática, porque todos os partidos políticos estão sob controle do pequeno sector de alauítas muçulmanos que pertencem á família e os amigos de Assad. No entanto, todas estas formações políticas diferentes têm de reconhecer a liderança geral eterna do Partido Baath, assim como o cano brilhante da arma apontada para suas cabeças quando eles participam de "debates" políticos no parlamento.

A desenvolvida Damasco, capital deste belo país.
A mais tipica indumentária síria.

A Síria fornece sufrágio universal, as mulheres podem votar também. Mulheres sírias têm direitos...são os homens que não têm direitos. A ciência nos diz que as mulheres sírias são mais viris do que a maioria dos homens do país. A mulher do presidente Assad, Asma (nomeada após a doença inflamatória crônica comum das vias aéreas), é a líder real do país e tem usado o bigode cerimonial para um determinado número de paradas militares quando seu marido ficou em casa com o nariz escorrendo.

A asma é originária de Londres e tinha uma conta aberta com todas as melhores lojas de departamento. Para a esposa de um ditador, ela é surpreendentemente muito atraente e foi adotada por todas as revistas sérias políticas de moda (como Vogue e Harper) como seu tipo de líder chique moderna do Oriente Médio. Eles esperavam que sua boa aparência lustrosa, de alguma forma modernizasse o regime de Assad e tornasse-o um lugar visitável, como, er...Arábia Saudita. Agora, as mesmas revistas chamam Asma de esposa do açougueiro.

Relações internacionais[editar]

Ninguém conhece melhor a geografia desértica quanto os soldados do governo sírio

A Síria faz fronteira com cinco países:

A Síria tem muitos amigos no Irã. Teria ainda mais amigos fora do Irã, se não fosse a revelação de que a Síria dava passe livre grátis para terroristas. A Síria tem apenas um eterno inimigo, Israel. Desde que Israel ocupou as Colinas de Golã, a guerra anual do Oriente Médio foi suspenso durante alguns anos em uma fileira sobre o engano. A Síria espera voltar ao jogo em um futuro próximo juntamente com um novo juiz. No entanto, os tempos mudam, e as atitudes do governo sírio mudam com elas. Uma delegação de corrente da China foi têm sido explorada para novas oportunidades no cenário externo, comercial, no intercâmbio cultural e, possivelmente, um novo palácio para Assad estão na vanguarda da agenda diplomática.

Em relação á guerra civil em curso, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha afirmaram que não irão intervir até que métodos não atrativos de matança em massa, como armas químicas, fossem utilizados. Com poucas balas, o regime lançou o ataque químico de 2013 onde as bombas de queijo mataram milhares de pessoas. O exército sírio em seguida, lançou um ataque terrestre de morteiros a área para limpar o mau cheiro. O parlamento britânico inalou o cheiro e votou para impor normas internacionais triviais e imperativos morais para prevenir o uso de armas químicas. Os EUA e outros países passaram a satisfazer a Rússia para que esta parasse de enviar armas químicas á Síria. Um esforço multinacional para remover e destruir as armas químicas da Síria começou e, a partir de meados de 2014, a Síria passou a ter muito mais armas químicas do que antes, que passou a atirar na Palestina para botar a culpa em Israel.

Forças Armadas[editar]

Pesquisa.pngVer artigo principal: Estado Islâmico do Iraque e da Síria

Camelus Kebabinsis, o verdadeiro animal característica da Síria que é usado para fazer o famoso kebab

As Forças Armadas da Síria consistem de 400.000 pessoas grandes, com grandes armas, com ordens para atirar em qualquer força civil ou hostil que ousasse se aproximar à vista. Exceto o Irã. Eles não vão atirar no Irã. O militar sírio é carregado com fuzis AK-47 e máscaras contra gases. Bunkers são estabelecidos em todo o país, o que significa que existem lugares para se esconder em resposta a qualquer desafio de defesa concebível. As relações entre os civis são fundamentais para a modernidade no exército sírio, daí as recentes iniciativas de relações públicas, tais como, adotar um oficial da Força Aérea, muito popular em muitas das grandes cidades da Síria.

Economia[editar]

A economia da Síria depende fortemente do turismo e do comércio fiscal, uma indústria de aviação avançada, e humus. No passado, a Síria prosperou como um estado cliente da ex-União Soviética, que forneceu não só ajuda alimentar mas ajuda bélica, e ajuda profissional visando lançar foguetes em direção a Israel, e conselhos de especialistas sobre quando apertar os grandes botões vermelhos. Desde a queda do seu antigo patrão, a economia da Síria está em péssima situação, os seus mercados estão caindo quase tão abruptamente como seus aviões.

Ver também[editar]

Ligações externas[editar]

Países da Ásia
Abecásia - Afeganistão - Arábia Saudita - Armênia - Azerbaijão - Bahrein - Bangladesh - Brunei - Butão - Camboja - Caracalpaquistão - Caxemira - Cazaquistão - China - Chipre - Chipre do Norte - Cingapura - Coreia - Coreia do Norte - Coreia do Sul - Curdistão - Egito - Emirados Árabes - Filipinas - Geórgia - Goa - Hong Kong - Iêmen - Índia - Indonésia - Irã - Iraque - Israel - Japão - Jordânia - Kuwait - Laos - Líbano - Macau - Malásia - Maldivas - Mongólia - Myanmar - Nagorno-Karabakh - Nepal - Omã - Ossétia do Sul - Palestina (Cisjordânia e Faixa de Gaza) - Paquistão - Qatar - Quirguistão - Rússia - Síria - Sri Lanka - Tadjiquistão - Tailândia - Taiwan - Território Britânico do Oceano Índico - Tibete - Timor-Leste - Turcomenistão - Turquia - Uzbequistão - Vietnã