Blood on the Dance Floor: HIStory in the Mix

De Wikimerda
Ir para navegação Ir para pesquisar



Bad.jpg
Nevermind.jpg

Este artigo fala sobre um álbum


E o Bart Simpson já completou o dele com figurinhas da copa.


HIStory 2: Electric Boogaloo
MJCD.jpg
Lançado em 1997
Gênero Reblood, remix, remastered e totally dance
Gravadora Dancing Music
Duração Bruxa do 71 minutos.
Certificação nº1 em Discolandia
nº10 em Danceland
Álbum Anterior The History Channel
Este álbum Leia o título do artigo novamente
Próximo Álbum Invencível


60px-Uiquiilogo botante.gif
Se você não quer se informar e o seu objetivo é somente fazer uma pesquisa sobre seu trabalho de escola, a Wikipédia tem um artigo sobre: Blood on the Dance Floor: HIStory in the Mix.


Blood on the Dance Floor: HIStory in the Mix é um álbum de remix de Michael Jackson, feito para ser um çucesso em lugares como Discolandia ou Danceland. Lançado em 1997, o álbum contém 13 canções, das quais, oito são remixes e uma transfusão, do inglês remix and reblood de outras tantas que já apareceram em seu álbum anterior HIStory. As outras cinco são novas, mas isto é só um eufemismo (palavra que nos encanta por ser muito feia). Na realidade, dessas cinco canções, quatro são material que sobrou das sessões de gravação tanto de HIStory quanto de Dangerous. Mas há uma totalmente nova: Pee on the Dance Floor, que talvez por sua temática gore e escatológica foi muito popular, mas não nas discotecas de Danceland, mas sim mmais precisamente nos "w.c." públicos.

Vídeos e Singles[editar]

Pee on the Dance Floor, ou traduzido para um bom português, Mijo na Pista de Dança, foi o primeiro single desse disco. Ele apareceu no início do verão daquele ano, chegou ao número 1 em vários países da Europa, com a exceção do Reino Unido, é por isso que eles são reis lá e andam muito unidos, lugar onde esta canção passou despercebida, totalmente despercebida. Nos EUA ninguém ouviu, em Tuvalu Ulterior ninguém nem ficou sabendo da existência. Mas apesar de ser praticamente uma cópia de Remember the Time, é uma canção muito popular.

Pee On the Dance Floor teve um estranho videoclipe dirigido pelo próprio Michael Jackson no qual podemos ver o cantor se abdicando de seus medos e limpando o chão da pista de dança, enquanto ainda se irritava com todo o mundo, tachando-os de ordinários e falando para eles usarem os banheiros públicos. Tremendo. E há pessoas que quando vão á discoteca mijam urinam na pista, em todos os sentidos, em qualquer lugar. No final, o cantor se cansou de tudo e mandou todo mundo moderar na bebida.

Ghosts, cujo curta-metragem estreou em Cannes, França, em agosto de 1997, foi lançado em single no final do verão daquele ano. Logo conseguiu alcançar o número 1 na Itália e na Espanha e em nenhum outro lugar. Foi como fantasmada, como dizem na Espanha.

Sister Superfly foi o terceiro e último single. Inspirado em sua irmã Latoya, que tinha complexo de super-herói insetívoro, é uma melosidade de mais de seis minutos de duração. Esta Irmã Super Mosca sucumbiu nas paradas ante a primeira explosão de spray de inseticida.

HIStory, lançado apenas para emissoras de rádio, teve um vídeo oficial mostrando alguns fãs de Jackson dançando freneticamente em uma discoteca enquanto aparecem imagens de antigos videos do cantor. Ou seja, é um repeteco. É que quando Jackson passa de um extremo a outro, neste caso produziu um video de baixo orçamento, deixamos este conselho: algumas coisas é melhor que não se veja.

Em suma, este álbum de Michael Jackson conseguiu quebrar outro recorde, conforme listado no Guiness Book dos Records: até a data da publicação, Blood on the Dance Floor: HIStory in the Mix é o disco recopilatório de dance music mais vendido em toda a história das discotecas, para não mencionar os de DJs. Sem dúvida, outra raridade do Sr. Jackson.

Ghosts: Stephen King feelings[editar]

Michael Jackson, farto de limpar o mijo da galera que tomou muito Demerol e Morfina

Ghosts é o segundo single do álbum, que se tornou um curta de 35 minutos de duração.

Estava claro para Michael Jackson que para ele voltar a ter impacto sobre as pessoas, como fez com Thriller, o videoclipe, necessitava de melhores efeitos especiais e de um bom argumento: a história do menino que não se encaixava em uma cidade provincial, não raro, mas estranhamente parece que Michael Jackson saiu da sala prop de um teatro, não é bem como qualquer pessoa...mais que uma história de fantasmas o que se saiu se assemelhava mais a uma piada. Michael Jackson enviou um esquema deste pobre roteiro á Stephen King e o escritor do Maine, ao ler, pensou se tratar de uma piada, mais que qualquer coisa porque Stephen é conhecido por tratar os músicos como imbecis, renegados e maricas em seus romances...

No entanto, o Sr. King queria apenas trabalhar em troca de uma gigantesca quantidade de dólares, cujos números não estamos autorizados a falar. Jackson aceitou, mas com a condição do Sr. King fazer de Michael um protagonista de um de seus livros, e se você reparar bem, o livreto intitulado Bag of Bones publicano no ano seguinte, foi totalmente inspirado em Michael Jackson: o protagonista, um homem muito fino, tanto quanto Jackson, e daí o título, cuida de uma menina, quando ela perde seu pai e sua mãe por culpa de seu perverso avô....e ambos foram viver em Sara Risa a.k.a. Menderley, ou seja, Neverland. Como você vê, aqui a família não sai bem estruturada, e é apenas a história da saga de Jackson sob alguma licença literária.

Michael Jackson em plena meditação fantasmal

Mas voltando á Ghosts, era óbvio que Jackson não poderia passar 35 minutos realizando o playback da canção...Então Stephen King escreveu uma terrorífica história que era a seguinte. A cidade chegou até Michael Jackson. As meninas amam Michael. Uma delegação de ambos vão para sua casa, alguns com o objetivo de dar-lhe as boas-vindas, outros para recolher outras coberturas da cidade. Depois de um primeiro encontro, uma tempestade os obriga a passar a noite na casa de Michael, planteando-se o dilema mais horripilante de todos: seriam capazes de sobreviver, loiras e morenas, á uma noite com Michael Jackson? Poderia alguma delas ficar em cadeira de rodas? E o pior: os cabelos das morenas poderiam vir á sofrer vitiligo? Não esqueça de assistir a esse curta para obter a resposta para todas as suas perguntas.

Curiosamente, Michael Jackson teve dois papéis: ele fez a si mesmo, e também fez um obeso, puritano e velho professor da escola. Sim, era Michael.

Outra curiosidade, a ambientação, atmosfera de opressão e alguns dos personagens do filme recordam diretamente ao romance de King O mistério do Vampiro de Salem. Finalmente, Ghosts não era uma continuação de Thriller e nem pretendia ser.

Canção premonitora de uma morte anunciada[editar]

Mostrando a língua

Morphine, segunda faixa do álbum, já causou certo espanto em seu dia. Acusada de ser uma canção ignominiosa, as fofocas dizem que, na realidade, o cantor só denunciava a péssima vida que, então, estava levando sua irmã Latoya juntamente com suas más companhias (de novo Latoya, sim, é uma constante na vida de Michael ao ponto de que há estudiosos que questionam se LaToya e Michael foram e são a mesma pessoa). De fato, se você olhar para todos os versos, parece que Michael está falando sobre uma garota que anda envolvido com alguém viciado em morfina e que no final, a garota acaba sucumbindo aos medicamentos, tornando-se viciada por sua vez. Mas houveram muito poucos que disseram que a canção, na realidade, falava do próprio Michael. E, francamente, surpreende que um cara que sempre foi tão sobreprotegido, que sempre falou de amor, da juventude e das crianças agora cantasse a respeito de drogas, não como exaltação ou advertência contra ela, mas do ponto de vista de alguém que está sofrendo, como uma vítima.

Hoje, depois de sua morte, é conhecido por todos: Michael Jackson tornou-se viciado em analgésicos e calmantes fortes desde março de 1984, quando ao gravar um comercial para a Pepsi queimou seu coro cabeludo, ficando gravemente ferido, em um acidente que deixou tanto ele quanto a Pepsi bem mais famosos. Muita gente hoje em dia, tem tentado ver nessa canção, a antecipação de sua própria morte, especialmente nos seguintes versos:

Michael, em plena overdose de Morfina
  • Trust in me Trust in me/Confie em mim, confie em mim
  • Put all your trust in me/Deposite toda a sua confiança em mim
  • You're doin' morphine/Você anda tomando morfina
  • Demerol
  • Demerol Demerol, Demerol
  • Oh God he's taking demerol./Oh Deus, ele está tomando Demerol.

Sabe-se que em 2009, Michael Jackson tomava Demerol, morfina ou o que seja, com muito pouco controle e com muita frequência. Mas sem uma análise toxicológica ninguém pode culpar a morfina pela morte do cantor. Pelo menos, não até a mesma ser legalizada.

Lista de faixas[editar]

  1. "Bosta na Pista de Dança" (Disco Stu)
  2. "Morfina" (Marcelo D2)
  3. "Firefly Sister" (Firefly)
  4. "Fantasmas" (Scooby-Doo)
  5. "Ghosts (segunda parte) Is It Scary" (Os Caça-Fantasmas)
  6. "Screamer Louder (Flyte Tyme Remix)" (Jeff the Killer)
  7. "Monkey (Fire Island Radio Edit)" (Bubbles)
  8. "2 Bad Coca Cola (Refugee Camp Mix)" (Pepsi)
  9. "Stranger in Berlin" (Tee's In-House Club Mix) (Stalin)
  10. "The Time Around (D.S. D.M. Radio Mix)" (will.i.am)
  11. "Partido Verde (Hani's Club Experience)" (Fernando Gabeira)
  12. "You Are Alone (Classic Club Mix)" (R. Kelly)
  13. "SHEStory (Tony Moran's HIStory Lesson)" (Evan Chandler)

Ver também[editar]