História da União Soviética

De Wikimerda
Ir para navegação Ir para pesquisar
v  d  e h
ARTIGO COMPLEMENTAR
v  d  e h
Banheiro sujo.jpg
Não entende este artigo? Leia o artigo União Soviética para ver sentido e volte aqui pra dar risada


Revolução Russa[editar]

Lênin, Trotsky e um tio conversando sobre a práxis do bigode de Stalin e suas implicações para a Revolução.

O historiador britânico Eric Hobsbawm, em seu livro Era da Prostituição, aponta que o mundo vivia uma era das trevas, onde burgueses ganhavam dinheiro, e trabalhadores ganhavam mais trabalho, e estava tudo certo. Entretanto, em uma bela tarde de outono, um Karl Marx que ganhava a vida como Papai Noel nas festas do Kaiser, juntamente com um amigo próximo e especial, chamado Friedrich Engels, criaram um troço chamado Comunismo, baseado em umas historinhas que ele havia ouvido em um cabaret (vulgarmente conhecido como casa de divertimento masculino) na França, de um tal de Socialismo Utópico. O Comunismo viria a penetrar profundamente na cabeça de muitas pessoas, e no horário eleitoral, em especial nos programas daqueles partidos minúsculos que prometem salário mínimo de R$ 4.000,00 e que tem o símbolo de uma foice no logo.
Cquote1.png Seks dlya idiotov, prezhde vsego revolyutsii a zatem s"yest' malen'kikh detey Cquote2.png
Lenin

Leníni, líder da revolução

Dentre as mentes que se deixaram dominar pelos ideais de igualdade social e pelo fim da opressão de uma classe sobre a outra, estava um rapazinho russo chamado Lênin. Até os dezoito anos, ele era um guri retardado normal, que usufruia das benesses de ser rico, mas renegou ao luxo e o dinheiro. Na Universidade de AlaKazan, entre uma vodka e outra, ele entrou em contato com livros sobre o comunismo, e também com revistas de mulher pelada e com o sexo em si, mas o amor e o prazer são coisas menores quando se trata de fazer a Revolução. Nos anos seguintes, saiu pela Rússia czarista espalhando a palavra de Deus[1] Marx, conseguindo convencer muitas pessoas, e outras subornou em troca de pão. O fato é que em 1905 o grupo já estava bem grandinho, e conseguia fazer algum barulho, embora o czar não gostasse de muitas manifestações, como as ordens do mesmo no Domingo Sangrento mostraram (é óbvio o que aconteceu nesse dia, não é?).

Em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial, os bolcheviques (que em russo arcaico significa miguxos), junto com os mencheviques (uns capitalistas que, nas horas vagas incomodam o governo, desde que não atrasasse a janta), derrubaram com uma rasteira o Czar Nicolau II, na chamada Revolução Branca ou Revolução de Fevereiro. não é chamada Branca porque tinham negros nazis no meio. Meses depois, a brincadeira já ficou sem graça, e Lênin teve de mandar embora todo mundo que não tivesse lido todos os volumes de O Capital. Era a Revolução Vermelha ou Revolução de Outubro. E é dita Vermelha não pela implantação do Comunismo, mas porque muita, mas muita, mas muitissíssima gente mesmo foi ver a grama crescer por baixo. Inclusive, por ordens de Lenin, a família real russa (dita Romanov) foi comer capim pela raiz e Kerensky teve de fugir para os EUA. Então o Exército Vermelho obteve seu objetivo: destruir o exército branco. Começou a Guerra Civil Russa.

Era Lênin (1921-1927)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Vladimir Lênin

Soldados do Exército Vermelho após tomar o Kremlin de Moscou sem gelo e derrotar as forças brancas durante a Guerra Civil Russa.

Até 1921, a coisa foi feia. Muita gente não gostou daquela coisa de "paz, pão e terra", e assim começa a Guerra Civil, onde os vermelhos, liderados por Leon Trotsky, esculhambaram, enrabaram e peneiraram com os brancos, liderados pelo Coelhinho da Páscoa. No entanto, ainda em 1919, Lênin escolheu cinco dos seus amigos mais próximos para dividir com eles os problemas do país, já que naquele momento (e talvez em nenhum outro), era a única coisa que a Rússia tinha... Esse grupo de pessoas, onde se destacam as figuras de Josef Stalin, Mikhail Kalinin e Leon Trotsky, ficaria conhecido como Politburro, que significa, em russo arcaico, panelinha. No governo de Lênin, o Partido não apitava muita coisa, pois Lênin era um tanto quanto possessivo e não gostava de dividir os cartazes de divulgação comunista com ninguém. No entanto, após sua morte, durante o governo de Stalin, o Partido se tornaria o órgão mais forte do Estado. E os que se seguiram a Stalin no cargo de secretário-geral mantiveram a estrutura, a mamata e a putaria dentro da máquina pública soviética. No entanto, chegou o momento em que os russos viram que aquela coisa de Comunismo já não valia mais à pena, porque tudo o que eles queriam era beber cerveja e ter um Juicer Philips Walita.

Leon Trotsky dando tchauzinho para dissidentes czaristas no paredão.

Após a Revolução de Outubro, o pau comeu feio e qualquer um descontente com o novo poder em estabelecimento era esmagado pelo Exército Vermelho, à época sob a liderança de Leon Trotsky. O período de 1918 até 1924 é conhecido como Casa da Mãe Joana (Casa da mãe Joana, em português) e tratou da organização e consolidação do poder por parte de Lenin. No entanto, o camarada não durou muito e, em 1924, foi ver o capim crescer por baixo, deixando um vácuo de poder entre Josef Stalin, Leon Trotsky e Mikhail Gorbachev Kalinin. Com isso iniciou-se um arranca-rabo interno, especialmente entre Stalin e Trotsky, já que Kalinin estava de luto por Lenin. O cargo foi disputado em uma partida de truco valendo o toba, onde Trotsky perdeu. Para evitar as consequências, Leon fugiu para o México, escondendo-se na casa de veraneio do Seu Madruga. De lá, ânus depois, resolveu mandar um trotsky a Stalin, já que naquela época a ligação internacional tava barato pra caramba. No entanto os camaradas da recém criada KGB rastrearam a ligação e descobriram o paradeiro do mesmo. Imediatamente Stalin despachou um agente para dar cabo do dissidente, tornando o Trotskismo coisa de picareta.

Era Stalin (1927-1953)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Josef Stalin

Arquivo:Stalin nose.jpeg
Josef Stalin, que fudeu fundiu o PCUS ao Estado soviético, ao saber da notícia da morte de Leon Trotsky.

Cquote1.png Tá desempregado? Tenho um trampo bem legal pra você, ali na Sibéria Cquote2.png
Stalin sobre o alto índice de empregos que seu governo criou na URSS

Quando Stalin assumiu o poder da URSS, iniciou o processo para tornar a URSS a ditadura mais sanguinária de todos os tempos[2]. Para isso (e para afrontar o Trotskismo), criou a sua própria versão do Leninismo: o Stalinismo (quanta originalidade...). Stálin desenvolveu o Stalinismo nos longos períodos em que lia as teorias do camarada Lenin no banheiro, isso explica o porque dos estudiosos do Comunismo/Socialismo dizerem que o Stalinismo é a maior merda criada dentro da área. Stalin subjugou o estado soviético ao Partido, fazendo com que todos os membros do governo tivessem uma íntima e profunda filiação ao partido, ou fossem puxa-sacos do mesmo. A criação de inúmeros órgãos e cargos garantia que houvesse vagas disponíveis para quem precisasse de uma ajudinha. Em pouco tempo a URSS estava sendo dirigida e movimentada pelo Partido Comunista, sem oposição (ai de quem fosse da oposição...). Já no começo da década de 1930, o Partido passou a representar o próprio governo, se tornando mais importante que o próprio Soviete Supremo da União Soviética, órgão que equivaleria ao congresso, mas que não mandava bosta nenhuma.

Leonid Brejnev, ao perguntar se ele gostaria de se tornar o secretário-geral do PCUS, após a saída de Khrushchev.

De 1939 a 1945 ocorreu a Segunda Guerra Mundial e, com isso, havia alemães para torturar, o que impediu Stálin de enviar dissidentes para os gulags. No entanto, bastou terminar a guerra que os expurgos, perseguições, assassinatos e tudo o mais concebível foi realizado no país. De trotskistas a czaristas, todos foram enviados a gulags, expulsos do país (para a felicidade dos mesmos), ou morreram. Logo a URSS era um estado exemplar: não havia dissidentes para criticar o governo, a economia ou o que quer que fosse. Na Alemanha, chega no poder um dos exilados, Adolf Hitler acontece uma porrada de coisa (ver mais em: Alemanha Nazista), mas como a história é da URSS, vamos só falar que ele se resolveu com o Stalin, e até assinaram um pacto de paz (Stalin não invadiria a Alemanha (apesar dele ter invadido metade dela, pouco depois da morte de Hitler), e Hitler não invadiria a URSS), mas o Ribbentrop, ministro de não sei o que, do Hitler, derruba café no segundo não da oração[3], que fica assim: Stalin não invadirá a Alemanha, e Hitler não invadirá a URSS".

Então, Hitler lê aquilo e invade a URSS, e Stalin fica pensando:
Cquote1.png Magína, ele é sanguinário mas não é doido, esse Molotov é que tá doido de vir aqui na minha sala, falar que o Hitler está me invadindo! Cquote2.png
Mas era verdade, e finalmente, Stalin vê que Hitler era mesmo doido e manda as Katyusha e as AK-47 pro rabo do Adolf, que não aguenta nem seis anos e se mata de medo, ou de emoção, depois que o vingativo exército vermelho invadiu Berlim para estuprar Hitler. Nesta altura Stalin já era herói duas vezes, o hino nacional falava sobre ele, e ele ganhou até medalinhas, e já estava na hora de partir dessa para melhor.

Era Khrushchov (1953 - 1964)[editar]

Sukita, ou Nikita Khrushchov, que largou a URSS no caos
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Nikita Khrushchov

No lugar de Stalin entrou um caipira chamado Sukita Nikita Khrushchov, que se mostrou tão bitolado quanto seu antecessor. No governo de Khruschov, o Partidão já estava enraizado como centro político e administrativo da URSS, agindo como um gabinete executivo gigantesco. Nos anos 50, ele e o Politburo tinham medo de um novo expurgo por parte de Stalin. Talvez ele junto a Béria tenham envenenado o bigode. O negócio é que o Béria também não era de confiança e desapareceu misteriosamente após 100 dias de governo. Kruschev dizia: Cquote1.png fui eu que fiz matei! Cquote2.png. Passa a perna no Malenkov e no Molotov em 1957 e fica sozinho no poder. Depois, como Borat, foi visitar a América para aprender lições e leva-las para seu país: tinha em mente reformas no comunismo. Em 1956 se encontra com dois grandes líderes americanos: Eisenhower e seu vice Nixon.

Aproveita pra passear na ONU e discursar. Durante o discurso da legação americana ele extravasou a raiva batendo os punhos em sua mesa freneticamente (para os russos, sinal de que alguém mente) e foi seguido por mais gente. Quando chegou sua vez de falar do pulpito, teve coceira no pé e tirou o sapato. Aí lhe deu a ideia: pegou ele e começou a bater na tribuna dizendo: Cquote1.png Nós vamos enterrar voces! Cquote2.png. Uma das façanhas de seu governo foi conseguir passar de uma das economias que mais cresciam no mundo para uma das mais caóticas do mundo. Kruschev vai a um Kolkoz pra ver como estão sendo alcançadas as metas de crescimento de 100% (só para aquele mesmo ano) na produção de carne de galinha, determinada pelo Plano Quinquenal.

O partidão tinha tanto poder, que promoveu e efetuou a retirada de Sukita Nikita, quando o mesmo passou a seguir uma linha diferente da que o partido seguia. Em seu lugar, subiu ao cargo de secretário-geral Leonid Brejnev (vulgo Stalin Jr.), um dos candidatos menos capacitados, mas um dos mais puxa-sacos do partido.

Era da Estagnação (1964-1987)[editar]

Era Brejnev (1964-1982)[editar]

Leonid Brejnev deixou a URSS tão rica que ninguém reclamava, já que estavam todos mortos mesmo...
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Leonid Brejnev

Com Konstantin Chernenko (que era amigo íntimo de Brejnev) como chefe do Politburo, os poderes do secretário-geral tornaram-se infinitos e incontestáveis (não que isso já não acontecesse antes...). A estagnação chegou, e com ela a estabilidade do poder nas mãos do partidão. Nada parecia abalar a URSS e seu sistema político, com o domínio total do partido comunista como parte da burocratização estatal.

Nesta época, os EUA e a URSS não se odiavam tanto, os presidentes podiam visitar um o país do outro e assinavam tratados para limitar as armas, além de ficarem fazendo cenas de amizade. Mas tudo isso mudou no ano de 1982, devido a um acontecimento pouco conhecido, ocorrido no último dia de 1981, na casa dos Brejnevs, em Moscou, URSS. Poucos sabem que, no dia de ano novo de 1981, Brejnev educadamente convidou os Reagan para passar o ano novo no palácio do Kremlin, como um prêmio pela vitória de Ronald Reagan nas urnas. Os Reagan aceitaram o convite e levaram a família inteira para a União Soviética. Então os Reagan chegaram no palácio do Kremlin. Leonid, Ronald e Nancy Reagan se sentaram nos sofás, e Viktoria, aquela safada, chamou Ronald e seus filhos para darem uma olhada no peru do Brejnev, que comeriam naquela noite. Enquanto isso, Leonid e Nancy ficaram a sós nos sofás, e, sem tradutor nenhum, Brejnev iniciou um diálogo: Cquote1.png Хотите видеть мои лошади (Quer ver meus cavalos)? Cquote2.png
Brejev
Cquote1.png I don't speak russian! (Eu não falo russo) Cquote2.png
Nancy
Cquote1.png Они очень красивые, знаете? (Eles são muito bonitos, sabe?) Cquote2.png
Brejnev

Cquote1.png Sorry! (Desculpe!) Cquote2.png
Nancy

O que a cachaça vodka não faz??

Cquote1.png Cоурры? Что это? Я только знаю Суши... Очень вкусный, жал. Моя жена любит суши. Вы любите суши? (Sourry? O que é isso? Só conheço sushi... Muito gostoso, amassado. Minha mulher ama sushi. Você gosta de sushi?) Cquote2.png
Brejnev
Nancy, nervosa com o Brej, que não parava de falar coisa sem coisa, gritou:
Cquote1.png Stop, mr. Brezhnev! Cquote2.png
Reagan e Viktoria, na cozinha, ouviram, mas não ligaram. O velho deu um pulo do sofá, e olhou para cima:
Cquote1.png Где? Где? Стоп? (cadê, cadê? stop?) Cquote2.png
Brejnev, que não parava de perguntar onde estava o Stop

Nancy, louca, pulou em cima de Brejnev, jogou-o no sofá e não parava de gritar:
Cquote1.png God, mr. Brezhnev, Mercy, pleeeeeeease Cquote2.png

Ronald e Viktoria se olharam, e acharam tudo muito estranho, mas continuaram admirando o peru. Nancy pulava e se chacoalhava gritando:

Cquote1.png You're driving-me crazy, stop... oh... please, stop! Cquote2.png
E Brejnev, não entendendo o que Nancy falava, tentava sair do sofá para ver o que estava acontecendo, e gritava:
Cquote1.png Это ничего! (isso não é nada) Cquote2.png
Mas Nancy continuava louca, e chacoalhava o Brejnev tentando calá-lo, mas só piorava, até que ele gritou:
Cquote1.png PARMALATE PAMAGUITE! Cquote2.png
Ronald e Viktoria, correram para a sala ver o que estava acontecendo, e deixaram o peru queimar viram Brejnev e Nancy pulando um em cima do outro, suados, descabelados e desarrumados, e pensaram no pior. Viktoria peguntou:
Cquote1.png Опять же, муж? (De novo, homem?) Cquote2.png
E Reagan:
Cquote1.png I always knew your purposes, Nancy! (Eu sempre soube suas intenções, Nancy!) Cquote2.png

A partir do dia 20 de janeiro de 1982, quando Reagan tomou posse, nem somente os Brejnevs e os Reagans iniciaram uma inimizade mortal e completa como também a URSS e os EUA, em um momento em que a guerra fria esquentou.

E assim perdurou durante os governos de Brejnev, Andropov e Chernenko.

Era Andropov (1982 - 1984)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Yuri Andropov

Andropov esbanjando felicidade

O governo de Andropov não teve absolutamente porra nenhuma de interessante. Ele tentou melhorar a economia sem se desfazer dos ideais comunistas, coisa que todos os outros fizeram. Ele tentou também acentuar as tensões da Guerra Fria, por meio da instalação de mísseis direcionados aos Estados Unidos. Outro fator de destaque era a incrível inimizade que tinha com Ronald Reagan. Durante dez anos ele comandou o KGB. Nesse período ele ficou obcecado pela ideia de estragar qualquer revolução capitalista à sua volta. Yuri fez tudo o que Brejnev fez, sem mudar porra nenhuma. Ele continuou a guerra do afeganistão e a opressão KGBista. Além de ter virado miguxo de uma jovem garota americana (que era amiga virtual[4] de Anna Frank) que o convidou pra brincar de Barbie. Yuri interpretava a Barbie. Isto virou notícia mundial e foi o mais perto que Andropov chegou de ficar famoso. Porém, os russos o consideraram um sujeito muito importante e gentil, considerando as tentativas de melhorar a economia (algo que é impossível de acontecer sem um sistema capitalista) e reduzir a corrupção (algo impossível de se acontecer[5] em um governo comunista). Ainda assim, muitos russos tem ódio de Andropov por causa de suas campanhas anti-vodka. Durante o seu governo, Andropov ganhou um pouco de destaque nos livros de história (já que ele mesmo os fez), embora não diga o que diabos ele fez de importante. Haviam perguntas sobre ele em um teste, deixado em branco pelos alunos (que posteriormente foram todos mortos.
Isso é tudo o que se sabe sobre Andropov e seu governo, lamento se procuravas algo interessante.

Era Chernenko (1984-1985)[editar]

Konstantin Chernenko fazendo um discurso no PCUS
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Konstantin Chernenko

Após 15 meses de governo, eis que Yuri Andropov morre, e então Chernenko, um cara guerrilheiro guerreiro, assume mesmo estando doente e contra a vontade do defunto. Seu governo se destacou apenas pelo boicote da União Soviética aos Jogos Olímpicos de 1984 em Los Angeles, e por isto foi capa da revista americana Time, vingando-se dos Estados Unidos por ter boicotado os jogos de Moscou em 1980. E por ter sido um governo bem curto, apenas 13 letras meses, pois todo mundo queria que Gorbatchev assumisse logo, então colocaram Konstantin no poder e o deixaram lá esperando a morte. Com artrose, aterosclerose, colesterol alto, câncer de pâncreas, estomatite, sífilis, doença de chagas, tuberculose, malária, varíola, gripe suína, úlcera (ele matava os inimigos, espiões da CIA com sua arma secreta), DST, hanseníase, hérnia de disco, AIDS, cólera, doença da vaca louca, gripe aviária e problemas nas cordas vocais, Chernenko morreu em 1984, mas tudo não passava de um enfisema pulmonar agravado por insuficiência cardíaca e uma hepatite crônica que acabou se transformando em cirrose (só isso de doenças?).

Mas aposto que também foi envenenado que nem o Brejnev só pro Gorba entrar e acabar com tudo. Seu falecimento foi motivo de grande alegria para Ronald Reagan, (e pro Gorbachev também), que contou uma piada para a mulher: "Pelo amor de deus, mulé, como é que vou acabar com a guerra se esses russo só morre?". Chernenko foi colocado junto aos demais líderes comunistas e foi coberto com um tapete de banheiro (as bandeiras estavam em Lenin e Stalin), e em sua lápide foi escrito enfim, livre de doenças. Apesar da piadinha, alguns o admiravam pois ele foi o único líder comunista que tomava banho e sabia limpar um banheiro. Chernenko era um homem sábio. não era casado, pois era feio demais pra conseguir arranjar mulher achava isto perda de tempo.

Era Gorbachev (1985 - 1991)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Mikhail Gorbachev, Tentativa de golpe de Estado na União Soviética em 1991

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ......Konstantin Chernenko não morreu, se mudou para o Brasil e começou a trabalhar na Rede Globo sob o pseudônimo de Cid Moreira???
Fila para busca de suprimentos em Moscou, 1990. Observe que os russos não sabem formar filas (provável efeito da vodka).

Cid Moreira Konstantin Chernenko, a última múmia da Era da Estagnação, foi pro colo do capeta em março de 1985. Juntamente foi a era Brejnev e a estabilidade da União Soviética com a eleição do sucessor de Chernenko, Mikhail Gorbachev. Este resolveu dar na telha de deixar de lado o velho modelo sovético de governo, que se baseava na economia falida planificada e de meter bala em qualquer um que ousasse discordar do governo, iniciando a Perseguida Perestroika e a Glasnost, sendo tentativas de, respectivamente, recuperar a máquina econômica enferrujada soviética e de fazer com que o governo fosse mais aberto. No entanto, a linha dura do Partidão viu com péssimos olhos a iniciativa do carequinha.

Devido ao estado totalmente fodido da economia da União Soviética, tudo faltava, desde papel higiênico[6] a vodka[7], este último produto de extrema necessidade dos russos. Filas quilométricas (mas nem comparadas às do INSS) formavam-se em mercados[8] e pontos de distribuição de suprimentos. A situação era insustentável e algumas repúblicas soviéticas estavam começando a trair o movimento. As primeiras a abandonar o barco foram as repúblicas bálticas, seguidas pela Armênia e Ucrânia. Em junho de 1990 a Rússia resolveu pedir água. A cada dia menos URSS sobrava para ser comandada. E os camaradas só estavam de butuca em cima do Gorbachev pra ver se ele ia fazer alguma coisa ou se ia ficar de pato.

Para jogar gasolina em cima da fogueira, a Glasnost acabou liberando geral a liberdade de expressão. Todo mundo começou a falar e criticar tudo e todos. Os grupos anticomunistas começaram a cantar de galo e fazer manifestações. Enfim, a União Soviética, de Kaliningrado a Vladivostok, virou uma verdadeira putaria, uma terra sem lei, enfim, uma verdadeira anarquia. E ninguém sabia o que fazer, nem mesmo Gorbachev, uma vez que ele não esperava que as coisas esquentassem tanto. Mas ninguém contava com a astúcia da linha dura do Partidão, que, agindo tão sutilmente quanto uma marretada, decidiu pôr ordem naquela merda toda através do clássico modelo soviético: usando o exército e toda a força militar necessária, aplicando um Pilão Giratório Golpe de Estado.

O Golpe[editar]

Vista parcial do Kremlin de Moscou, a humilde residência do presidenteditador da URSS, que foi tomado sem gelo pelas forças golpistas.

O golpe iniciou-se em 19 de agosto de 1991, com algumas divisões do exército vermelho cercando e tomando o Kremlin de Moscou, levando Gorby e a família para a península da Criméia, um fim de mundo pertencente à Ucrânia. Vieram com a velha desculpa de que o presidente havia adoecido e seria substituído temporariamente por uma junta do partido comunista. Obviamente isso não colou para os russos, já que nenhum presidente saía vivo do Kremlin. Imediatamente se tocaram de que tratava-se de outro um golpe. Também lembraram do golpe que depôs Sukita Nikita Khrushchov para colocar no poder Leonid Brejnev. Temendo que semelhante merda acontecesse de novo, com a coragem proporcionada pela Glasnost vodka, o povo fez o que nunca se havia visto na história daquele país: enfrentar o Exército Vermelho de peito aberto.

Boris Yeltsin em cima de um tanque, angariando trocados para comprar vodka e arrancando suspiros das camaradas.

Neste momento a cidade e toda a URSS tinha virado de vez a Casa da mãe Joana. No entanto, eis que apareceu o homem errado na hora certa: Boris Yeltsin. Esse simpático pudim de vodka, através de um discurso de várias horas ininterruptas, conseguiu demover o golpe ao instigar a população com sua ampla fonte de conhecimento: a filosofia de boteco. Seus argumentos eram tão contundentes e poderosos que levou os próprios golpistas a desistirem. O ápice foi quando Yeltsin, a fim de observar o preço do litro de vodka no mercado da esquina, subiu em um tanque e esticou os braços. Isso foi entendido como um brado à multidão furiosa, do mesmo modo que Dom Pedro I fez ao proclamar a independência (nunca reconhecida) do Brasil.

A tentativa fracassou e Yeltsin se tornou a marca e o exemplo da resistência à deposição de Gorbachov, sendo o verdadeiro mártir vivo do golpe. Embora Gorby tenha retomado ao poder e a Moscou, era tarde demais. Boris se tornou o novo sex symbol da Rússia. Quem realmente estava com o poder era Yeltsin, e este não ia hesitar em phoder qualquer um que estivesse entre ele e a presidência da Rússia. Era uma questão de tempo até a URSS acabar e Mikhail Gorbachev ir pro buraco junto com ela.

Reações[editar]

Cquote1.png Quê? Sem vodka? Droga! Cquote2.png
Boris Yeltsin, em sua posse como presidente da RSFS da Rússia.

A primeira e mais impressionante reação à tentativa de golpe veio do próprio povo soviético, que iniciou inúmeros panelaços em Moscou e Leningrado, principalmente. não queriam saber de outro comunista lunático assumir a presidência, já que o careca com um morango tatuado na testa, apesar de ser um incompetente, tinha pelo menos dado liberdade. A ação de Boris Yeltsin como defensor do governo legal fez o mesmo subir vertiginosamente na moral do povo russo e nos conceitos dos países ocidentais. E Gorbachev mais uma vez foi visto como um incompetente, incapaz até mesmo de agregar o próprio partido. No ocidente o golpe foi visto como um ataque à lei soviética, condenando a ação e observando que Gorbachev era o verdadeiro presidente ditador da União Soviética[9]. Os Estados Unidos cancelaram temporariamente toda a ajuda econômica até que o golpe fosse derrotado e, se não fosse derrotado, ia dar quebra pau mano. Outros países se escondiam dentro do armário embaixo da cama, com medo de que uma guerra nuclear começasse caso um comunista bitolado assumisse a presidência.

No entanto, o que realmente surpreendeu foram as ações de Mikhail Gorbachev ao voltar da Crimeia, após o fracasso do golpe. O ditador ordenou a dissolução do Politburo, a ilegalidade do Partido Comunista da União Soviética, além do confisco de todos os bens, dinheiro e imóveis do partido[10] e a prisão de todos os judas que tentaram dar a rasteira nele.
Cquote1.png Foda-se o Comunismo, eu quero é Vodka! Cquote2.png
Boris Yeltsin sobre Comunismo
Inclusive, um dos atos mais bizarros desse evento foi a assinatura dos mandados de prisão dos golpistas por parte do ministro da defesa, Dmitri Iavoz. Iavoz era um dos golpistas e, portanto, assinou o próprio mandado de prisão (certamente efeito da vodka). Realizando uma limpa no Kremlin, Gorbachev instituiu novos ministros e tentou acelerar o processo de reformas, mas o mesmo Boris Yeltsin que o salvou em agosto acabaria com ele em dezembro. Boris Yeltsin, após o fim do golpe, conseguiu obter o comando dos sistemas de comunicação e econômicos da Rússia, se tornando, de fato, o presidente da RSFS da Rússia.

Consequências[editar]

Desde o acidente de Chernobyl o governo Gorbachev aparentava ser incompetente. Com a tentativa de golpe em 1991, a incompetência ficou bem clara para o ocidente (e para os russos).

O golpe foi um verdadeiro tiro no pé do Partido Comunista da União Soviética, posto que o poder do mesmo foi pulverizado por Gorbachev quando o mesmo retornou a Moscou. A dissolução do politburo e do alto comando da KGB removeu o Comunismo do comando da federação. Embora Gorby fosse um comunista comedor de criancinhas, ele não tinha escolha, teria de encher o Kremlin de porcos capitalistas frente à situação anterior. Remover o Comunismo do comando da União Soviética foi o mesmo que soltar um cachorro faminto num matadouro, ou seja, tudo virou de pernas pro ar. A repressão cessou de vez, o exército se desestruturou e a suruba internacional entre as ex-repúblicas soviéticas começou. A tentativa do presidente de implantar um tratado que daria mais autoridade às repúblicas socialistas mas que mantivesse a união entre elas foi sumariamente ignorada e atropelada. O poder de Gorbachev estava esvaziado, era apenas um enfeite, como a Rainha Isabel II do Reino Unido.

A ascenção de Boris Yeltsin à presidência da RSFS da Rússia foi desastrosa para a URSS. Ele reconheceu a independência dos estados bálticos e da Ucrânia, além de ter completado o processo de independência da RSFS da Rússia para a agora Federação Russa. Além disso, reuniu-se com os líderes de todos os países que terminam com istão, como o Cazaquistão, Uzbequistão, Cagaquistão e Putaqueparuistão a fim de implantar a Comunidade dos Estados Independentes (ÇEI), que ocuparia o espaço geopolítico da URSS. Dessa forma, só sobrou mesmo Nova Zembla e o Turcomenistão para Gorbachev comandar. De fato, quase toda a URSS tinha se quebrado em mais de oito mil pedaços. E não havia super bonder que revertesse isso. Era só uma questão de arrumar as malinhas, desligar as luzes do Kremlin e dar adeus à Mãe Rússia, fato esse que Gorby consumou em 25 de dezembro de 1991.

A volta[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: República Socialista Soviética da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Rússia

Mikhail Gorbachev, secretário-geral do PCUS, trabalhando como DJ após deixar o poder.

Cquote1.png СССР приходит Cquote2.png
Vladimir Putin sobre RSSURSS
Cquote1.png Я закончу это также Cquote2.png
Mikhail Gorbachev sobre citação acima
Enquanto lá fora a URSS se desintegrava, um grupo de revolucionários vermelhos se reuniu. Feito isso, Lenin regressou do inferno e se transformou num grande filho da puta[11] líder que matava gente brincava de destruir o capitalismo nas horas vagas na RSSURSS. Quando Lenin morreu de novo, Stalin e Trotsky resolveram, também ressuscitados, que seu sucessor seria definido numa partida de Uno. Acontece que Stalin disse "Uno!" primeiro, e como era mais filho da puta que Lenin, expulsou Trotsky da RSSURSS. Trotsky, muito chateado por ter sido chutado, passava o dia fazendo fofocas sobre Stalin no exílio. Para que ele fechasse a matraca, Stalin mandou seu amigo Fidel Castro lhe escovar os dentes com um machado de gelo.

Como já estava enjoado de tanta vodka e de tanto ver Stalin matando passarinhos, Vladimir Putin chegou todo chateado e disse: Quem manda nessa porra agora sou eu!. Ninguém se atreveu a questioná-lo e dizer que ele não tava na casa dele e que não tava falando com a senhora sua mãe. Ele acabou virando o líder da RSSURSS e a puta que pariu também. Depois disso Fidel decidiu invadir a RSSURSS com seu exército incontrolável de um esquilo, duas canoas e um carro cheio de melancias, mas por motivos que ninguém entende, foi derrotado pela RSSURSS. Ainda assim o governo da RSSURSS prometeu não invadir Cuba em troca de eles darem uma lição nos ianques, que mandaram Fidel tomar caju.


Referências

  1. Segundo os bolcheviques
  2. Plano que falhou graças á Mao Tse Tung
  3. Pai nosso que estás no céu
  4. O Orkut era o único site permitido na Alemanha Nazista
  5. Referindo-se a redução da corrupção, e não á corrupção
  6. Isto também se repete atualmente na Venezuela sob o governo de Nicolás Madruga Nicolás Maduro
  7. Isto também se repete atualmente na Rússia sob o governo de Vladimir Lenin Putin
  8. Sim, passou a existir mercado, o que foge completamente dos princípios comunistas
  9. Porque convinha que ele continuasse no poder
  10. Todos roubados do povo soviético
  11. Coisa que ele sempre foi

Ver também[editar]