História de Israel

De Wikimerda
Ir para navegação Ir para pesquisar
Weird al amish paradise.jpg
Pai do krusty.png

História de Israel é Judeu.

Enquanto você lê isto, o dono deste artigo deve estar cuidando da lujinha... '(Lembrete: Evite ler a Wikimerda durante o Shabbat.)

Flag of Israel.svg.png
Atenção! Este Artigo é Israelense!

E para Israel VOCÊ é uma Ameaça!.
E se não concordou é uma AMEAÇA IMINENTE!

ForçasEspeciaisIsraelComPalestino.JPG

A história de Israel é tão antiga que o teste de carbono 14 não pôde ser capaz de determinar, datando um número inexistente antes do nascimento de Dercy Gonçalves. Cientistas dizem que já havia dados de que existiu no período triássico uma espécie denominada homo australopithecus hebreiuss, assim como também uma outra, homo australopithecus palestinianis, e que os tais se degladiavam por uma milionéssima parte de um deserto desértico árido pós-queda do meteorito que destruiu a vida na terra. Portanto, para não ficarmos no discurso hipotético, iremos começar do período de quando surgiu a escrita... Mas antes uma breve nota para melhor compreensão do texto.

  • I) Hebreus, israelitas e judeus = trata-se do mesmo povo, os israelenses.
  • II) O tópico acima é questionavél.
  • III) Eu não tô nem aí com isso.
  • IV) Nem você.
  • V) Os hebreus são tão palestinos, quanto os palestinos, a diferença é que eles chamam a Palestina de Canaã.

Egito, há muitos, e muitos anos atrás[editar]

Acredita-se que os israelenses foram parar lá por causa de uma seca, aí, desceram para o Egito em busca de comida. Outros preferem acreditar na hipótese de que os israelenses fugiam dos palestinos que acabavam de descobrir a pólvora.

O fato incontestavel no meio cientifico-histórico-sociológico é que chegando lá eles se fud... Os israelenses foram convidados à trabalhar sem direito a férias e remuneração. Foi quando Maomé, hebreu, líder sindicalista, vulgo Moisés e irmão adotivo do faraó , metido com aquela história de comunismo, influênciado pelo seu primo Karlinho, decidiu fazer greve com o seu povo... O Ahmose, nome que alguns cientistas dão para esse faraó, não gostou e promoveu um "caça aos comunistas" em todo o Egito e adjacências.

Em contra-ataque, Moisés, e o seu movimento revolucinário chamado "Haganá" coordena a famosa e complexa "Operação 10 Pragas". Após infligir enormes baixas na chamada noite do Pessach com assassinatos selecionados à importantes autoridades egípcias. No dia seguinte houve a "Grande assembleia dos 500 mil" (em 5350 a. C.) que parou as obras da quarta pirâmide de Gizé que culminou com o coro, liderado por Arão, irmão de Moisés, da música de Geraldo Vandré: "Pra não falar que esqueci das flores".

O caos foi estaurado, 2 milhões de judeus saíram do Egito levando tudo que podiam carregar cantando...

Cquote1.png Vem vamos embora, esperar não é saber... quem sabe faz a hora não espera acontecer Cquote2.png
Hebreus deixando o Egito eufóricos depois dos discursos de Moisés, Karl Marx e Arão

O faraó, não deixou por menos, comandou a Milícia Real Egipicía numa retaliação ao ataque do Passech, cercando todas as saídas do país. Em 24 horas, os israelenses são cercados por toda a armada do Egito. Foi quando Moisés gritou sua célebre palavra:

Cquote1.png CORRE NÊGADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Cquote2.png
Moisés sobre o Exército do Faraó cercando os hebreus

O povo correu "encabrerado" para a praia. Nesse momento ouviu-se Arão:

Cquote1.png Pronto FUDEU! Eu não sei nadar, metade aqui não sabe nadar, olha galera... Foi muito bom estar com vocês, mas a festinha acabou, nós temos que nos conformar... Cquote2.png
Arão sobre a primeira vez que viu o mar...

Mas, o talentoso líder Moisés, toma a iniciativa dece à praia, muitos dizem que estava inpirado pelo divino, ajoelha-se, e toca a bengala no mar. E começa a sussurrar...

Cquote1.png Cara! Se tu existe não deixa a gente se... Cquote2.png
Dramatização do que Moisés deve ter falado naquele sobre ataque egípicio

O Mar Vermelho atormenta-se, e logo, das águas surgem centenas de milhares, de milhares, de milhares de caiaques. Moisés então promove a maio ragata de todos os tempos fugindo do seu irmão adotivo Ahmose...

Simpsons-schip-page-not-a-hack-say-republicans-mr-burns.jpg

A Longa Marcha - The Great Rave[editar]

Num trecho, que hoje em dia se faz em menos de duas horas à carro. Moisés e seus 2 milhões de seguidores demorou 40 anos. Sim. Por um motivo que ninguém sabe, eles deram voltas, subiram montes, retrocederam, acamparam, fizeram raves, pararam no sopé do Monte Sinai, fizeram viagens piscodélicas, andaram em circúlos, "fritaram", subiram a margem do Rio Jordão, desceram para o Monte Sinai...

Houve uma pausa das raves enquanto Moisés subia o monte. Enquanto ele recebia os déz mandamentos da mão daquele sujeito poderoso que ninguém sabe como falar o nome, houve uma pequena e discreta festinha, regada a muito Psy Trance. Na decida de Moisés, de novo as festas foram suspensas, e novamente inciadas...

... Sobre efeitos desconhecidos os hebreus disputaram uma corrida de saco até o Mar Vermelho, e voltaram em linha reta pelas planíces para atravessar o Rio Jordão. Lá fizeram uma pausa para mais uma ravezinha. Fritou geral... Cquote1.png WTF? BOOOOOOOOOOM!!!!!!! MWAHAHAHAHAH!!!!! Cquote2.png WTF sobre Israel. Cquote1.png Porra véi quero para mais não consigooooo!!! Hu Hu Hu Hu Acelera DJ!! Pô amigo me da um abraço ai vai!! Cquote2.png
Moisés fritando no deserto, literalmente em todos os sentidos, aos oitenta anos, grande exemplo para todos israelenses

Moisés celebrou sua última rave ali, morreu com aproximadamente 80 anos, influênciando Astrix, Skazi, Infected Mushroom e muitos outros DJ's. Finalmente, chegando a terra prometida de Canaã, que mais tarde perceberam que não era nada de maravilhosa e decepcionados mudaram o nome para Palestina.

Cquote1.png Tuntz tuntz tuntz tuntz, tun tun tun, tweeeeeeeennnnnnnnnn, tuntz tuntz tuntz Cquote2.png
Trilha sonora da marcha dos hebreus pelo deserto

O começo da confusão[editar]

A Sinuca é o principal esporte dos judeus

A confusão, começou assim. Quando os hebreus saíram da Palestina, antes da invenção da escrita (período que não aparece no artigo), não contrataram caseiros - como de costume da cultura de economizar o máximo possível para lucrar mais, não contratariam de novo quando partiram para a Babilônia, e mais tarde na Diáspora no período do Império Romano.

Israelense depois da ONU descobrir da hospitalidade para com os palestinos

Ao chegar lá se deram conta de que os brimos mais queridos haviam tomado conta de sua terra. Aí, o pau comeu, a cobra fumou, depois o pau cheirou e a cobra comeu, depois mataram a cobra e caíram no pau, aí mataram o pau e mostraram a cobra viva, puxaram uma Uzi de um lado, e uma AK-47 dou outro, e pá, mataram a cobra... O Resultado disso tudo, foi que os hebreus, depois de desceram o cacete educadamente e com absoluto flairplay nos palestinos (Há controvérsias), acabaramo por expulsar os brimos queridos da região, que em fuga foram se refugiar na parte mais bonita de Canaã: Faixa de Gaza, um maravilhoso deserto árido e quente como as profundezas do Inferno à potência do calor absoluto do núcleo da terra, ou seja, tão quente que esse pleonasmo redundante seguido de uma hipérbole não abrange metade da compreensão. Com a vantagem de terem a vista pro mar.

O que se seguiu daí para frente, segundo historiadores, tem duas versões:

  • Versão Capitalista Sionista Ocidental: Tediosas guerras se seguiram, com tediosas vitórias hebraicas que, como qualquer um pode conferir na Torá ou no Velho Testamento da Bíblia. Algumas por milagre, outras por que os hebreus eram assumidamente espartanos orientais saguinários.
  • Versão Árabe Fascista Esquerdista: O caos em guerras sem fim, com grandes derrotas e vitórias judaicas pírricas (procura um dicionário), que quando transcritas para a Torá e para Bíblia transformavam-me miraculosamente em vitória, para esconder a vergonha das gerações posteriores.

Pela segunda versão, explica-se a estranha tradição dos povos da região que até mesmo em meio ao século XX, na era da comunicação, ainda continuarem invertendo o significado de perder e vencer. Este fenômeno é bastante estudado na Psicanálise por ser a única expressão conhecida dos Mecanismos de defesa do ego em escalas nacionais, regionais e globais. A exemplos mais atuais podemos citar as recentes derrotas de Saddam Hussein no Iraque, Osama Bin Laden durante a invasão do Afeganistão, Israel na guerra no Líbano, e dos palestinos na Guerra em Gaza recentemente, onde o comportamento de "levar pau e cantar vitória" é perfeitamente notado.

Fraternidade. Soldados Israelenses abraçam Palestino ferido
  • Por volta de 1050 a.C. o Rei fodão Davi unifica o Likud (Partido de Direita) e o Avoda (Partido Trabalhista), criando o Kadima (Partido de Centro), e consegue reinar sem desavença sobre os reinos do Sul (Judá) e Norte (Israel).
  • Em cerca de 800 a.C. o Reino ao Norte foi dominado por brimos queridos, deixando os judeus apenas com o Reino de Judá ao Sul, que era o equivalente ao resto de terras improdutivas da região da Palestina, incluindo em seu território 90% do Deserto do Negueb - Eram tão pobres e miseráveis que foram deixado em relativa paz (a paz lá nunca é absoluta).
  • Em outra grande derrota em cerca de 500 a.C. o pessoal de Judá é levado para o cativeiro na Babilônia, nessa época surge as primeiras canções de Reggae que fazem referência a este Império.
  • Alguns anos depois, fodidos e endividados por se envolverem em empréstimos dados pelos escravos, os Babilônios entregam aos Judeus uma carta de alforria, para o perdão parcial de dívidas dos Babilônios. Como disse o profeta Daniel, ao seu amigo babilônio o Rei Nabucodonosor:

Cquote1.png Só a brinzipal, nada de perdoar as juros viu brimaaa?! Cquote2.png
o Profeta Daniel sobre a libertação do cativeiro

Logo ao chegarem de volta a sua terra natal, os judeus sofreram com o preconceito e a xenofobia dos povos que ficaram por ali, isto porque os judeus chegaram com sua religião que vinha sendo aperfeiçoada, e agora que estava bem desenvolvida, queriam agarinhar novos dicipulos (peraí...) isso porque uma das novas instituições criadas pela religião deles, havia o monoteísmo e o dízimo - o último era o principal. Porém, judeus e povos locais não se entendiam, com cada uma querendo converter a outra facção na porrada (tradição local), passaram a brigar umas com as outras (guerra total). Esse caos regional enfraqueceu tanto um como os outros... O que proporcionou uma oportunidade perfeita para quem viria a seguir...

Conquista Romana[editar]

Cquote1.png Agora é o momento perfeito para a gente dominá-los Cquote2.png
Júlios Cezar, Imperador Romano sobre sexta tentativa de entrar na região

Os Romanos, que havia tentando 6 vezes entrar na região mas não conseguiram, chegaram e interromperam a 900º guerra, com você sabe quem contra você também sabe quem, impondo uma trégua, depois de 5 anos os judeus revoltaram-se. Os romanos, que não eram um povo do Oriente Médio, que conheciam técnicas de combate mais complexas e participavam de combate com naçãoes mais civilizadas na Europa do que os bárbaros árabes, judeus, persas e derivados, estavam imunes às táticas judaicas por estarem tecnológicamente e estratégicamente alguns anos a frente. De precaução, o Império Romano, sabendo da capacidade destes espartanos orientais sanguinários de se superarem, forçaram os judeus a se espalharem pelo mundo espalhando o boato de que havia muito dinheiro espalhado pelo mundo para o povo escolhido, os judeus se dividiram, lutaram entre si, e partiram numa gincana universal atrás da cidade do El Dourado...

Dominio de outros povos[editar]

O unico Cavaleiro Israélense:Pegaso Negro

Muuuuitos povos dominaram a região depois que os Romanos se foram. Lá passaram: Persas, Babilônios, Gregos, Russos, Japoneses, Teutônicos, Marcianos, Incas Venusianos, imigrantes brasileiros (em todo lugar do mundo sempre há), Yemenitas, Etíopes, Árabes em geral, Mongóis (vejam a que ponto se chegou... tsc tsc tsc), Anglo-Saxões, culminando com os Turcos do Império Otomano.

História Moderna[editar]

Após a 1a Guerra Mundial a Turquia, naquela época ainda Império Otomano, perdeu autonomia de seu território, e a região passa a responsabilidade dos britânicos, que esperavam encontrar pétroleo lá. Acharam um lago salgado que ninguém afunda, ficaram empolgados, se entendiaram, e chamaram ele de Mar Morto. Após a 2a Guerra Mundial, milhares de judeus fugindo de Hitler, ou vindo conferir o trabalho dos caseiros, voltaram.

A outra confusão[editar]

Pra resumir: judeus e árabes pediram a terra; o Reino Unido prometeu para os dois desde que ajudassem na Segunda Guerra Mundial contra os nazistas. Terminada a guerra, não deu para ninguém e mandou a ONU resolver. Resultado: a ONU decidiu dar terra para os dois em 1945. Israel se declarou um país independente em 1946, ao mesmo tempo em que botava pra correr todos os árabes que habitavam o novo Estado, que não existia nem há 1 hora... Não que os árabes se importassem muito em quem seria o novo chefão do pedaço, afinal depois de serem mandados séculos a fio por brimus Turcos Otomanos e algumas décadas por infiéis Britânicos, pensaram que não haveria diferença agora com os novos senhores - Judeus Europeus que sofriam dos traumas do Holocausto e que por isso se tornaram esquizofrênicos com delírios de perseguição e surtaram. Estes judeus ricos de toda parte do mundo, vieram com 50% do PIB mundial e foram comprando o que podiam do estado da Palestina com o Yasser Arafat.

Os árabes palestinos então fugiram para os vizinhos, e eles não gostaram de pobres esfomeados entrando em sua terra, e sem consultarem os palestinos aspirantes a futura nação e Estado, declararam guerra por eles. O embrião surtado do exército esquizofrênico Israelense já estava preparando-se por um ataque de Adolf Hitler, e por isso esperavam um Armagedon. Israel põe pra quebrar, e detona mais de 8 exércitos antes do soar do fim do 1 round, interrompido pelos EUA e URSS. Para piorar a situação, os árabes palestinos agora estavam sem terra. O Estado de Israel, que já gozava de representação na ONU como país, adquiriu as terras palestinas dizendo que havia participado de uma guerra defensiva e que pelas leis internacionais um país pode anexar territórios que não pertencem a ninguém (que neste caso subentende-se o povo palestino é ninguém). A ONU estava muito ocupada com os EUA e URSS tentando explodir o mundo e disse: concordo - ninguém em sã consciência na época discordava dos dois.

Os países ao redor, gostaram da possibilidade de anexar as terras dos irmãos palestinos e continuaram investindo contra Israel - cada um por um motivo específico (Grande Síria, Nova Persa, Nova Babilônia...) - perderam todas elas. O povo árabe palestino, continuava crescendo e se multiplicando, e agora transformavam os campos de refugiados em favelas. A ONU obriga os países envolvidos tomarem atitudes, Israel espertinha diz "o árabe que tiver do lado de cá da fronteira vira israelense" e nisso reconhece a cidadania de 200 pessoas e meia (vítima de minas) e a ONU reconheceu isso como uma atitude. Os países árabes ficaram cantarolando em fizeram de conta que não ouviram nada. Depois de perder algumas guerras tentando devolver o "problema" para os Israelenses, alguns Países como Egito e Jordânia parecem ter deixado pra lá esperando talvez que o "problema" "se toque" e desapareça sozinho, por mágica quem sabe; enquanto que outros países resolveram utilizar os palestinos como "massa de manobra" para pressionar o vizinho indesejado a desaparecer dali, ensinando aos palestinozinhos que "matar judeu, vai pro céu", a usar AK-47 em vez de lapis de cor e borracha, e como operar um colete para homem-bomba.

Israel obriga os Palestinos a pagar idenizações pelas consequências disto, sem pagar naturalmente - porque são pobres - Israel revida. Bin Laden saíu prejudicado e não tendo gostado e promete roubar todo o território de Israel de volta e não dar nem um tequinho para Malamado AlmadeJihad que odeia Israel também, mas que quer fazer a nova Grande Persa e ser chamado de Xerxes, mas isso vai de contra os interesses dos sírios, que querem fazer a "Grande Síria" onde os iranianos querem faer a "Grande Persia", que também será exatmente no local de interesse dos príncipes pretoleiros da Árabia Saudia, que Israel também odeia, e isso deixa o Tio Sam numa sinuca por que quer ser amigo dos barris de petróleo saúditas e dos dividendos de ações de grandes companhias israelenses, que Saddam Hussein odeia, porque o impede de construir a "Grande Babilônia".

Hummmm... bom, se você não entendeu nada acima, tudo bem não se esforce em vão pois ninguem entende, nem eu... Se você entendeu, VOCÊ É O MESSIAS!.

OBS.: Se você é o Messias, caminhe até a Sinagoga mais próxima e se apresente, estamos te espreando!

Aí essa porra toda que tá até hoje...

Israel
HistóriaPolítica
Subdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo